quinta-feira, 7 de julho de 2011

Pontos Sem Ponta

As palavras que tenho para declamar
Perdem-se sempre antes da tua chegada,
Porque tudo o que diga,
E Tudo o que faça,
Talvez nos teus olhos
Não passe apenas de uma farsa.
Mais complicado que esta entrada
É nada.

O medo não é um receio para ti
Nem para tudo que compreendas,
Mas não consigo entender,
O que mais está para acontecer?
O meu remetente é o saudoso anoitecer,
E de algum modo
Ele nunca se irá esquecer,
Da leve sombra
Que quiçá, somente eu consiga ver.

Já não sei o que esperar de ti,
Não sei o porquê de ter que ser assim,
Dúvidas sussurram os sentidos,
Cintilando na ténue teia de mil entrelinhas.
Por ti? Por que não por mim?
A única coisa por que vale a pena chorar,
É nada.

Pedaços que queria ver de ti
Foram e nunca mais voltaram,
Agora tudo o que importa,
É nada.
As expressões que tinha para te dar
Partiram e nunca mais voltarão,
Tudo o que quero ouvir hoje,
É nada.

Não há palavras para retratar a dor
Que amortece o coração,
Enfeitiçado pela maldição,
Escorraçado pela devoção,
Que em cada esquina observa a razão
Sem nunca conseguir obter compreensão.

Apenas posso contar
Que eles não voltarão,
Tudo foi em vão?
A única coisa que vale a pena,
É nada.

Pela honra e pela história,
Pela crueldade que me olha,
Porque ainda estamos nós aqui?
E para onde iremos nós?
A única coisa que vale a pena hoje,
É nada...
E a única coisa que me fará voltar amanhã,
É nada.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Almas Imortais

Imagina que de facto olhamos deste modo para este caminho,
Quer dizer, tecnicamente é seguro,
Será que nunca ouviram isso?
“Atenção caros amigos e amigas”, já dizia o senhor cujo nome desconheço…
É muito melhor levar este tipo de coisas desta maneira,
Porque são muitos, são demasiados
Para sobreviver
E dizer a alguém que ainda tenho esperança de te ver nascer.
Mas nada garantia que 100% seria pêra doce,
Pois nada teria sabor se assim fosse.
Mas aqui reside a quietação,
O senhor autor…
Ele tirará o devido proveito,
Enquanto aproveita para considerar o que não pode exprimir,
Enquanto aproveita para dizer o que devia compor.
Todas as almas revelam a sua natureza quando confiadas,
Mesmo quando a confiança não é merecida.
Não ficámos com alguma coisa por expressar?
A distância aumenta mortalmente…
Mas a distância não é tem tão simples como a separação entre nós,
Lá no nosso aprofundado fundo sem fim,
Não há nada que se entrelace tão profundamente
Como as nossas palavras ocultas,
Que nem precisamos entender,
Pois aquele olhar…
Aquele nosso certo olhar…
Cego… Surdo… Mudo…
Revestido unicamente pela imortalizada telepatia,
Tão impossível como a caminhada sobre as tempestades de mares temperados
Que no arcaico destino desenlaçámos,
Com a palma da mão abraçada aos elos que nos unem
E ao nosso constante e inevitável desejo.
Indeterminada é a lógica,
De o caminho ser ainda feito de desvios e encruzilhadas,
Onde separadamente juntos,
Teimamos superar,
Tal como a fogosa flama
Que anseia um dia ver-nos chegar.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Imersão Fatal

Fatalidade,
Será ingenuidade?
Não, não… É mais falta de credibilidade,
Falta sinceridade
Para chegar à tal felicidade.
E a nossa serenidade?
Amor, carinho e fraternidade,
Teimam em virar falsidade.
Prazer… Vontade…
Quase sempre é quase nada,
Quase nunca é quase tudo,
E quase que por um fio
Quase chega a ser o meu mundo.
Essas plateias,
São estilo prisões desventradas de preconceito,
Mas eu não aceito
Quem nelas escarnece sem preceito,
Perfeito? Jamais!
Mas ainda assim estou satisfeito,
De alguma forma virei a ser o eleito,
Ou não fosse eu este sujeito,
Se não gozasses tu de tanto jeito
Talvez eu vertesse para suspeito.
É certo que engrandeci neste jardim
E surgi para ser assim,
Embora ainda me esconda no minúsculo camarim,
Será por desconfiar o frenesim?
Nesta rima tudo tem um fim…
Quem pode amar por mim?

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Olhares Intemporais

Olhar que assusta
Quem nele projecta seu sentido,
E que faz querer por mais
Desses medos assombrados pela luz.
Tão penetrante,
Que nem a própria espada
Carregada pelo criador,
É detentora de tamanho denodo.
Evidência conturbada pelo temor incontendível,
Contemplado por quem anseia açular
O verdadeiro alicerce da reincarnada paixão,
Desmedida de tempo e vontade,
Isenta de suspeição e iniquidade,
Imersa em benquerença pela eternidade.
Certa incapacidade de traduzir sentimentos,
É a fórmula cordial originada,
Inexplicavelmente, pelos incompetentes cumpridores,
De destinos enigmáticos.
Será a partida para quem ainda não tem meta?
A resposta?
Não, ela não te vai bater á porta,
Mas vai crer em ti até estar morta.
Julgamento?
Atalho engasgado sem fundamento,
Pois nada mais é que encobrir o fingimento.
Sofrimento?
Está latente no sentimento,
Ou não tivesse sido a maçã, mordida pelo pensamento.
A pergunta tornou a assolar,
Desta vez intrigada,
Desta vez seria ela a mergulhar em interrogações,
Ensaiando encontrar o caminho em suas próprias inquietações,
Por aqui, não se recordam mais desilusões,
Constroem-se telas de paixões,
Dando um rumo a infindas visões.
A legendária chama persiste em flagrar,
Na tocha que um dia acendemos
Em homenagem ao amanhã.
Agora já nem há fastio,
Já nem há nada que tormenta
O nosso vigoroso olhar,
Somente quebrado pelo enlace
Que toda a noite, ganha lugar.

sábado, 7 de maio de 2011

O "senhor" da Chave... Felicidade & Acreditar...

A chave? Onde está a minha chave?
Já não a encontro
E já nem o esforço quer ser meu amigo,
Já nem as lágrimas curam a própria dor espalhada.
Aquela tal força de possibilidades
Encontrada um dia perdida,
Parece desejar fugir novamente
Com os seus intérminos devaneios.

Cansaço,
Palavra-chave, mas que teima em não entrar na fechadura certa
E talvez ele tenha razão,
Aquele senhor cujo o nome desconheço, ainda hoje disse
Que possivelmente nem sete chaves a abrirão,
E se eu procurar a oitava?
Será que seriam oito razões incontestáveis?
Sim eu interroguei-o de novo
E com temor das suas próprias sentenças ele proferiu:
"Bem, parecem inacabáveis,
Mas sabes, as chaves de nada servem se a fechadura não existir
E se não houver ninguém que as faça, também não entrarás.
Olha para ti, a tua porta já nem aberta está,
Ela já nem sequer existe
Depois de tantas vezes a teres inaugurado.
Não reparaste?
Amputaste a porta quando estavas no teu sono
Simulando a querença de que esse alguém entrasse no teu pesadelo,
Sem notar que sem intenção a realidade também ficou aberta."

Viste se alguém chegou a entrar?
Esteve alguém à espreita com medo do que encontrar?

"Sim encontrei uma pegada que estava prestes a te achar,
Mas teve medo, teve muito medo de te acordar,
E de depois sentir que lá não poderia estar"

Chegou-me a acarinhar?
E porquê? Porque a deixaste escapar?

"Sente á tua volta, sente este cheiro que ela deixou cá ficar,
O seu suave carinho, sim, ainda te abraçou fortemente,
Como se nunca mais o pudesse fazer,
Não acordaste porque pensaste que estarias a sonhar.
Eu apenas lhe disse que o seu esforço definiria a sua vontade,
E eu sei, eu agora apenas sei que essas palavras ficaram em seu pensamento."

A sonhar sim... Agora me recordo,
Como poderia eu não estar a sonhar,
Se nada mais me pode fazer acreditar,
Que na capa, a felicidade ainda posso estampar.

Olha comprei um livro, sem letras,
Simplesmente páginas esbranquiçadas o descrevem.
Notei que ele veio ter comigo,
E apenas tinha uma pequena folga a pedir que eu lhe desse o título.
Havia espaço para dez pequenas letras.
Automaticamente, e quase sem saber como, a caneta apoiada em minha mão as escreveu.
Lembraste daquela palavra?
Aquela que um dia te disse que para sempre com ela queria perdurar.
Nem precisas de te pronunciar, eu sei que tu sabes do que estou a falar.
Mas o pequeno livro ainda tinha mais um desejo a cumprir,
Para assim eu nunca mais o deixar fugir.
Queria apenas mais uma pequena palavra nas suas próprias costas.
Não me disse qual era, mas assim que olhei determinei escrever "Acreditar".
Somente mais uma coisa ambicionava, fosse qual fosse o seu futuro e eterno conteúdo,
Que nunca entrasse em desacordo com estas duas pequenas e colossais palavras.
Mal ele sabia que eu também tinha uma ambição, e a minha era cumprir a sua.
Bem o céu já está a clarear, tenho de me ausentar,
Talvez amanhã voltemos a falar.

08/03/2011

terça-feira, 3 de maio de 2011

Será possível?

Encostado ao muro das lamentações
Na perspectiva da queda de ilusões,
Não sou eu que as digo
Não sou eu que as faço
Mas sou eu que as ultrapasso.
Porque hoje e só hoje
Quem me dera ser palhaço,
Ter o dom da palavra
Sem precisar quebrar o laço.
Nas vezes em que me sentia mais fraco
Até parecia que passavas lá,
Mas ao fim do dia
Tão-pouco podia pronunciar olá.
Dizer olá depois de ouvir um adeus?
Essa ampla humilhação
Nunca mais será vista por estas esquivas terras,
Abandonada está,
Tal como o actor deste intenso monólogo.
Tanta ousadia,
Deu asas a quem já nem pelas próprias pernas caminhava,
Fez meditar mais que duas vezes quem afinal estaria a perder,
Fez imaginar que por fim a realidade também sonha.
Este é o sentimento penetrante
Que me cobre de inspiração,
Mas ainda assim, não consigo dizer
Até mais não.

11/01/2011

sábado, 30 de abril de 2011

Estreitas Razões

Percorrendo estes estreitos trilhos
Pelo deserto sem horizonte no panorama,
Seco de querer ser quem sou
Seco da imaginação requerida pela vontade
Seco de esperar pelo tempo que não vai existir
Seco da esperança abandonada pela viagem
Encharcado por lágrimas de arrependimento,
Pela minha própria mácula.
Tamanha irracionalidade inconsciente
Jamais escapará compreendida
Pelos próprios autores,
Desertores do inerente afecto,
Afectado pela alucinação transcendente.
Acerca da razão estar certa,
Nada posso negar,
Pela sua coerência
O mais certo seria falhar.
São certezas incompatíveis com realidade
De fraca longevidade,
Entranhadas e destinadas a ninguém,
E ninguém as agarrou.
Elas, sim são elas,
Que fazem pensar
Na tal maneira do observador
As conseguir ofuscar.
Tantas e tantas…
Mas apenas meras chegarão à fonte,
Munidas de factos profundamente encarnados
Em suas resilientes formas.

24/12/2010

terça-feira, 26 de abril de 2011

Sangue, Suor e Lágrimas...

Enfrenta a verdade nua e crua
Aventura-te pelo que amas
Clama a tua ambição.
As cicatrizes que temes no teu ímpeto íntimo
Nada mais são que provas do valor ímpar
Contestado pelo teu fundo.
Lágrimas derramadas, gravadas pela realidade embutida
Dividindo o incerto querer, da consciente imperfeição vivida.
Medos ocultos, encobertos pela vontade de amar
Superiores à vontade de sonhar.
Involuntárias palavras depurantes
Traduzem a esperança corrompida em tua alma
Pronta a despertar do pesadelo concebido pelo sonho,
Sonho alimentado pela tentação de outrem.
Passando a mão pela tua força,
Interiorizando o teu fugaz fervor,
Agarrando o abismo destemido,
Aniquilando-o audazmente,
Na expectativa do teu verdadeiro ser.
O futuro somente a ti pertence,
Os mares mais turbulentos te levarão ao ansiado destino
Se a tua crença for derradeira,
Só assim conquistarás toda a fortuna desejada.

Dedicado a uma pessoa muito especial.
03/12/2010

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Os meus olhos

A luz nos meus olhos apaga-se
Mas eles continuam abertos,
Desconfiam o amanhã
Temem-no sem olhar,
Olham fechados no vazio que os contem,
Abrem-se ao que não querem
Fecham-se ao que querem.
Querem falar mas ninguém os ouve
Têm tanto a declarar, a confessar...
Manifestam-se de toda e nenhuma forma,
Escondidos pelo infortúnio
Pelas sombras que os rodeiam,
Desordenadas
Encadeadas
Correm e passam
Dizem tudo
Dizem nada,
Impensáveis
Intocáveis
Indiferentes à razão
De que a chave está no bolso,
Tentados
Irritados
Enganados
Continuam inanimados
À espera da invasão.
Afinal, a porta está aberta
Queres entrar?

19/10/2010

domingo, 17 de abril de 2011

Auto-retrato

     Corpo tipo espada, comprido e fino. O maior órgão do corpo não é tão branco como a neve, mas não anda longe. Aqueles que vos vêm, castanhos, mas o verde também tem uma palavra a dizer. Tal como os de antes, aquela coisa que me aquece as ideias também é da cor do casaco que visto hoje. E aquela certa parte que às vezes cheira o que não quer, tem um toque de requinte, há quem diga que estará perto da perfeição. 
     Eu penso que penso que sou um grande pensador, atento e observador.
   A confiança não reina em mim, mas por vezes ela lá vem por fim. A raridade com que eu desisto é praticamente nula, embora a vontade não seja a maior em certas ocasiões. Sou sempre eu mesmo, não tenho duas caras. 
     Chegam-me a dizer “sai de casa”, um pouco exagerado porém, ou então não; no entretanto isso está a mudar. Sou amigo daquele que também o é, e não é qualquer um que o pode ser. Arrogante quando tem de ser, um método que uso como defesa, talvez exagere na sua utilização. Sempre foi difícil a integração em grupos, mas ao longo dos anos fui aprendendo e ainda contínuo...